O JOGO

Voluntários dão exemplo para o esporte no América II

Mutirão envolveu adultos e crianças para melhorias no campo de areia

Mutirão envolveu adultos e crianças para melhorias no campo de areia

Zaramelo Jr.

O Jogo | 2015, 23 de fevereiro

Num momento em que muito se ouve no esporte de Americana que pouco (ou quase nada) pode ser feito por falta de dinheiro, um grupo de voluntários vem dando exemplo no Jardim América II, na região da Praia Azul. Com criatividade, esforço e boa vontade, eles mostram que, quando se quer de verdade, é possível sim fazer algo. E como é!

Na manhã do domingo de Carnaval (15), O Jogo flagrou adultos e crianças envolvidos numa mutirão para recuperar o campo de areia na entrada do bairro, entre as avenidas Heitor Siqueira e Chalil Miguel Onsi, a pouco metros da Via Anhanguera. Todos, à sua maneira, colaborando para que o local tenha mínimas condições para a prática do futebol.

Pintura, capinação e até terranaplagem com auxílio de trator cedido por uma empresa do bairro foram executados. Era nitidamente visível a alegria dos meninos em poder ajudar, colaborar. Devidamente monitorados e orientados pelos adultos, eles usaram brochas, pás, enxadas e carriolas. Desta vez, o suor veio pelo esforço do trabalho. Agora, será a vez do suor pelos jogos de futebol…

No campo de areia são realizadas algumas das atividades da escolinha Bola na Rede, ligada à Sociedade Esportiva Jardim América II, clube filiado à LAF (Liga Americanense de Futebol) e que disputa o Campeonato Amador da cidade. O presidente Fernando Gidaro, o Prego, 32 anos, disse que houve a solicitação à prefeitura para execução dos serviços, mas como não houve retorno, os voluntários decidiram realizá-los.

“A gente até entende que a prefeitura tem outras prioridades. Talvez, mais para frente, as autoridades vejam a região da Praia Azul com outros olhos. No que depender da gente, a garotada vai poder continuar jogando bola, pois vamos seguir com esse trabalho voluntário”, afirmou Prego.

Fernando Gidaro, o Prego, está à frente do projeto da escolinha

Fernando Gidaro, o Prego, está à frente do projeto da escolinha

Escolinha envolve 70 meninos da região

O projeto da escolinha de futebol Bola na Rede existe há 11 meses e envolve 70 meninos na faixa etária de 7 a 14 anos, todas residentes em bairros da região da Praia Azul. Gratuitos, os treinos são realizados no campo de areia do Jardim América II e na quadra de futsal da escola do Lago.

“O principal objetivo é tirar as crianças das ruas, oferecendo atividades esportivas”, disse o industriário Fernando Gidaro, o Prego, presidente da Sociedade Esportiva Jardim América II, clube responsável pelo projeto. “Na quadra, fazemos os treinos técnicos, enquanto as atividades no campo de areia são boas para condicionar a garotada na parte física”, salientou.

Prego é um dos “professores” responsáveis pelos treinamentos, que acontecem às quartas e sextas-feiras, das 17 às 20 horas, aos sábados, das 8 às 13 horas, e aos domingos, das 8 às 10 horas. “Temos garotos de várias categorias de idade e nossa ideia é participar de campeonatos municipais, tanto de futebol como de futsal”, disse.

Além de Prego, os demais técnicos do projeto Bola na Rede são José Neizinho, Edson Garrincha, Japonês e Matheus. “Aqui, todo mundo trabalha de forma voluntária. Ninguém ganha absolutamente nada. Fazemos porque gostamos do esporte e queremos proporcionar essa oportunidade à criançada de todos os bairros da região da Praia Azul”, afirmou Prego.

Trator cedido por empresa fez serviço de terraplanagem no terreno

Trator cedido por empresa fez serviço de terraplanagem no terreno

Empresas do bairro são parceiras do projeto

Fernando Gidaro, o Prego, presidente da Sociedade Esportiva Jardim América II e responsável pela escolina Bola na Rede, disse que o projeto recebe apoio de empresas do bairro, que colaboraram para que os 70 meninos possam ter treinamentos e aulas. “Graças a Deus temos vários parceiros, que nos dão uma força muito importante”, disse.

Sempre salientando que nenhum “professor” do projeto recebe qualquer remuneração e que o trabalho é voluntário, Prego explicou a forma como alguns dos parceiros colaboram: “Temos uma padaria, por exemplo, que fornece pães e um supermercado que dá refrigerante e água para a garotada. E assim vamos tocando em frente.”

Matéria publicada na edição 574 do O Jogo

Matéria exclusiva publicada na edição 574 do O Jogo