O JOGO

Valor gasto por Americana chama atenção de vereador

Gualter está cobrando explicações da prefeitura quanto à alimentação

Gualter está cobrando explicações da prefeitura quanto à alimentação

Americana gastou R$ 69.550,00 em alimentação para sua delegação nos Jogos Abertos do Interior, realizados em Marília, mês passado. O valor é, em média, quase três vezes maior do que em outras edições da competição organizada pela Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Estado.

Se comparada com a vizinha Santa Bárbara d´Oeste, que foi aos Jogos com número de integrantes bem próximo a Americana, a diferença no gasto é de R$ 50.243,40 – a empresa contratada pelos barbarenses através de pregão cobrou R$ 19.306,60.

Outro ponto: ao contrário do que tradicionalmente era feito ao longo de décadas, desta vez Americana não levou equipe própria de cozinheiras para cuidar da alimentação de sua delegação. A opção foi pela contratação de uma empresa através de carta-convite.

Todos esses detalhes chamaram a atenção do vereador Gualter Amado, do Republicanos, que na sessão da semana passada apresentou requerimento questionando a prefeitura. O parlamentar quer cópia integral do processo administrativo referente à contratação da empresa, planilha com nomes dos integrantes da delegação e controle de fornecimento de refeições, entre outros pontos.

O requerimento foi aprovado na Casa e agora a prefeitura tem 15 dias para encaminhar as respostas ao vereador – pode haver prorrogação do prazo.

“Estou pedindo essas informações para me inteirar da situação. Em anos anteriores, Americana nunca contratou empresas para fornecer alimentação. Neste ano, só três empresas foram convidadas e todas de Santa Bárbara. Aqui o processo foi feito três dias antes do início dos Jogos, enquanto lá Santa Bárbara, com valor bem mais abaixo, o pregão foi bem antecipado. Vamos aguardar as respostas para ver como conduzir”, disse Gualter.

“O que causa certa estranheza é que num momento de crise econômica, com o esporte de Americana praticamente sem incentivo para nada, gasta-se um valor que pode-se considerar bem elevado”, acrescentou o republicano.

Paraná disse que havia muitas reclamações de professores

Paraná disse que havia muitas reclamações de professores

EXPLICAÇÃO

O secretário de Esporte, Lazer e Juventude de Americana, Eudaldo dos Santos Cardoso, o Paraná, procurado pelo O JOGO no início da semana, disse que todo processo envolvendo a alimentação da delegação nos Jogos Abertos do Interior de Marília seguiu orientações do Jurídico da prefeitura.

O dirigente explicou que a opção pela contratação de uma empresa deu-se por algumas razões. Ele citou, entre elas, que a Secretaria não dispõe atualmente de equipe de cozinheiras e equipamentos adequados para levar ao alojamento e, principalmente, de acordo com Paraná, professores e pais de atletas vinham reclamando da qualidade da alimentação servida.

“Não sei até onde é economizar em alimentação para atletas, que ficam 10, 15 dias longe de casa, do trabalho. Acho que é economia boba. Fizemos reunião com os professores das equipes e eles reclamaram. Os pais dos atletas também vinham reclamando”, afirmou Paraná.

Segundo o secretário, em Marília, do primeiro ao último dia dos Jogos Abertos, “só recebemos elogios da alimentação, tanto em qualidade, como em quantidade, higiene, atendimento. Não tivemos uma única reclamação”.

O JOGO conversou com dois ex-secretários de Esportes de Americana, de épocas distintas, e ambos afirmaram que em suas gestões jamais houve qualquer tipo de reclamação com a alimentação servida em Jogos Abertos e Regionais e que sempre foi rotina técnicos e atletas elogiarem as “tiazinhas” (como eram chamadas as cozinheiras da secretaria) que faziam a comida.

Em relação à diferença de R$ 50 mil quanto ao contrato de alimentação de Santa Bárbara d´Oeste, Paraná disse que não é possível avaliar, pois não tem conhecimento do cardápio servido pela cidade vizinha. “O que posso falar é que nossa alimentação foi excelente e só recebeu elogios”, reforçou o secretário.

O JOGO enviou os cardápios de Americana e Santa Bárbara para avaliação de uma profissional da área de nutrição esportiva. Ela atestou que o cardápio dos americanenses foi mais bem elaborado, com mais opções. “O de Santa Bárbara também estava ótimo. Poderia ter leite e uma fruta no lanche da noite, mas estava de boa qualidade”, ressaltou.