O JOGO

Roger confirma intenção de reativar lei; SE pode ser incorporada

Omar e Roger assumem a prefeitura de Americana em janeiro

Omar e Roger assumem a prefeitura de Americana em janeiro

Antes da eleição suplementar do dia 7, em entrevista ao O Jogo, Omar Najar disse que a reativação da Lei de Incentivo estava entre seus planos para o esporte. De forma esmagadora, com quase 92 mil votos, o empresário de 67 anos venceu o pleito e será o prefeito de Americana no biênio 2015/16. Após o resultado das urnas, o vice-prefeito eleito, o jornalista Roger Willians, reafirmou a intenção de reativar a lei, que teve sua aplicação suspensa em agosto deste ano pelo então secretário de Esportes Odair Dias.

“Vamos reativar a lei porque é muito importante para o esporte de Americana. Através dela, será possível trazer novamente recursos ao FAE (Fundo de Assistência ao Esporte)”, afirmou Roger, em entrevista ao O Jogo. A lei é de dezembro de 1995 e destina ao esporte percentual do ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) recolhido pelas empresas. Quando da suspensão, em agosto, o valor que chegava à área esportiva girava em torno de R$ 180 mil mensais. Quem gerencia o dinheiro é o Fundo.

De acordo com Roger Willians, a equipe de transição do governo de Omar Najar continua fazendo levantamentos da atual situação da prefeitura, inclusive do esporte. “São (levantamentos) específicos. Do esporte, temos informações sobre quantidade de funcionários, do (projeto) Criança Total, do Fundo, enfim, estamos nos embasando para iniciar a administração em janeiro”, disse o vice-prefeito.

Secretaria de Esportes pode ser incorporada

Embora sem a confirmação por parte dos integrantes do governo que assume a prefeitura de Americana no dia 9 de janeiro de 2015, há informações de bastidores de que a Secretaria de Esportes pode ser incorporada a uma outra pasta, como, por exemplo, a Educação. Se isso de fato acontecer, deixa de existir a figura do secretário de Esportes. A pasta viraria departamento e teria um diretor, subordinado ao secretário da área a que fosse incorporada.

A teoria ganha força com base na vontade já manifestada por Omar Najar e Roger Willians de reduzir do número atual de 23 secretarias para 10 ou 12 a partir do ano que vem. O objetivo é “enxugar a máquina administrativa”. “Serão feitas incorporações de secretarias, mas ainda não há nada certo em relação as quais serão. Independentemente disso, não haverá mudança na rotina dos setores”, comentou o vice-prefeito eleito.

O cargo de secretário de Esportes é bastante cobiçado, não apenas por profissionais da área, como também (e principalmente) por políticos, em razão da visibilidade que dá a quem está no poder. Poucas áreas do poder público têm tanta exposição na mídia como a esportiva.

Zaramelo Jr. / O Jogo – 19, dezembro 2014