O JOGO
  • -->

Papo com o Zara

papo com o zara 2017 - testeira site

- O Rio Branco estreou mal na Série A3 do Campeonato Paulista. O time de Edson Fio perdeu por 2 a 0 para o Atibaia, na tarde de quarta-feira (17), em Indaiatuba.

- A derrota é facilmente justificada pelo futebol que o Rio Branco jogou. Ou melhor, deixou de jogar.

- Longe de fazer uma grande partida, daquelas de encher os olhos, o Atibaia foi superior em todos os aspectos: técnico, tático e físico.

- O Rio Branco marcou mal, não criou praticamente nada em termos ofensivos e foi apático. Além de não jogar, permitiu que o adversário jogasse.

- Não sei se o Rio Branco não está condicionado fisicamente como deveria estar, mas nenhuma dúvida de que o Atibaia correu e dividiu muito mais.

- O Rio Branco não tem do que reclamar do resultado em Indaiatuba, mas tem muito com o que se preocupar. Muito mesmo!

- Se a bola do time é essa, 2018 reserva muitas emoções.

- Na minha modesta opinião, salvaram-se do naufrágio o zagueiro/volante Luiz Paulo Miranda e o atacante Frank, que entrou no 2º tempo e deu mais dinâmica lá na frente.

- Os demais ficaram nivelados por baixo.

- “Vamos jogar bola, Adriano!” Da arquibancada, o presidente Valdir Ribeiro soltou esse grito para o centroavante do Rio Branco no 2º tempo.

- Sei lá, mas acho que não é o comportamento mais adequado para o presidente de um clube…

- Conversei rapidamente com Totó Bressan, gerente de futebol do Rio Branco, logo após o jogo. Ele reconheceu que o elenco tem limitações e que há a necessidade da chegada de 3 ou 4 jogadores mais qualificados.

Edson Fio site

- Expulso após discutir com a arbitragem, o técnico Edson Fio estava puto da vida com a “nhaca” de seus jogadores. Era visível a irritação do treinador encostado no alambrado.

- Dos 82 pagantes (isso mesmo: 82!!!) para Atibaia 2×0 Rio Branco, pelo menos metade era de Americana. Com quem falei, não teve um sequer que gostou do que viu em Indaiatuba.

- Há mais 18 rodadas pela frente e a má impressão da estreia pode ser apagada. Ou não, né…