O JOGO
  • -->

Papo com o Zara

papo com o zara

roger_willians_janeiro_2015Desde sexta-feira (9), o jornalista Roger Willians da Fonseca (f) é, além de vice-prefeito, o novo secretário de Esportes de Americana. E ele tem pela frente uma série de desafios. O primeiro – e mais importante – é definir a política que será adotada na área esportiva durante os dois anos da administração do prefeito Omar Najar.

E quando se fala em “definir política”, a tradução é “definir prioridades”. Do discurso teórico de “atender a tudo e a todos” à realidade prática há uma diferença gigantesca. Escolinhas de iniciação, categorias de base, equipes de competição e de alto rendimento, projetos sociais, obras de revitalização, terceira idade, enfim, a pauta de reivindicações sobre a mesa do novo secretário será extensa e ele terá de priorizar sem desprezar.

RW não é novato na Secretaria de Esportes. Durante alguns meses na gestão do ex-secretário Mario Antonucci, o novo chefe da pasta atuou como diretor de unidade e tem o mínimo de conhecimento do cotidiano do esporte. Por isso, sabe como funciona a máquina. E, assim, terá de escolher já nas primeiras horas de sua gestão qual caminho trilhar…

LEI DE INCENTIVO

Em dezembro, antes mesmo de ser confirmado como secretário de Esportes, Roger Willians afirmou que a lei de incentivo fiscal, cuja aplicação foi suspensa em agosto, será reativada na administração de Omar Najar. “Vamos reativar a lei porque é muito importante para o esporte de Americana. Através dela será possível trazer novamente recursos ao FAE (Fundo de Assistência ao Esporte)”, disse, em entrevista publicada na edição de 17 de dezembro do O Jogo.

Para que isso de fato ocorra, RW terá de convencer o prefeito Omar Najar  a aceitar a reativação, pois a lei significa renúncia de receita à prefeitura – dos 20% destinados ao esporte sobre o imposto (ISSQN) pago, 15% saem da administração.

Independentemente da reativação da lei de incentivo fiscal, o orçamento do esporte em 2015 deve girar entre R$ 8 milhões e R$ 10 milhões. Isso, no papel. Com o município enfrentando gravíssima crise financeira, pode ser que o valor que chegará ao cofre da Secretaria de Esportes seja bem abaixo.

RIO BRANCO

Roger Willians nunca escondeu sua paixão pelo Rio Branco. Ao contrário, sempre fez questão de propagar seu amor. A pressão sobre o vice-prefeito e secretário de Esportes por apoio institucional e político ao time de Americana não passou de suposição. Como agora quem cuida do futebol riobranquense é uma empresa com fins lucrativos, não há razão para RW envolver-se tanto. A cobrança existiria se o centenário clube tivesse que se virar para colocar 11 em campo.

Obrigatoriamente, já que o Estádio Décio Vitta foi municipalizado na administração do ex-prefeito Diego De Nadai, cabe à Secretaria de Esportes cuidar e bancar o local. Esse gasto com área de um clube particular é considerado desnecessário por pessoas influentes que farão parte da gestão de Omar Najar. Pode ser que, em razão disso, Roger precise ter “jogo de cintura” para evitar que a concessão do estádio seja revertida.

SALÁRIOS

Herança de outras gestões, o secretário de Esportes Roger Willians terá de equacionar a questão de salários atrasados de professores do projeto Criança Total e de técnicos  de modalidades contratados através do FAE.  Há insatisfação geral nas alamedas do complexo do Centro Cívico com essa situação que se arrasta há meses. Alguns profissionais não vêm a cor do dinheiro desde março do ano passado.

Se quiser dar novo ânimo aos professores e técnicos e evitar o fim do projeto que envolve milhares de criança e adolescentes, RW terá de quitar os salários o mais rápido possível.

ASSESSORES

Os assessores diretos de Roger Willians serão de extrema importância para que ele consiga conciliar os cargos de vice-prefeito e secretário de Esportes. A seu lado estarão Edison Fassina (secretário adjunto), Emerson Neves Grilo (sub-secretário de Esportes), Edilson Bissoli (sub-secretário de Lazer) e Osvaldo Klein Neto (sub-secretário de Juventude), além de Ariel Ferreira (chefe de Gabinete). Uma boa equipe, sem dúvida.