O JOGO

Molina deixa presidência da ADCF com sensação do dever cumprido

Com Molina, o basquete conquistou 20 títulos em 26 campeonatos

Com Molina, o basquete conquistou 20 títulos em 26 campeonatos

Desde o dia 1º de setembro, Ricardo Molina Dias não é mais o presidente da ADCF Unimed. Depois de sete anos à frente do clube gestor do basquete feminino de Americana, ele passou o bastão para o médico Émerson Assis, que preside a cooperativa médica Unimed.

Molina saiu com a sensação do dever cumprido. Em sua gestão, a equipe adulta disputou 26 campeonatos e foi campeã em 20, expressivo índice de aproveitamento de 77%. O projeto social saltou de 450 crianças e adolescentes para mais de mil nas três cidades em que está implantado: Americana, Santa Bárbara d´Oeste e Nova Odessa.

Diretor-presidente da empresa Clarian, Molina não saiu da presidência da ADCF simplesmente porque deixou de ser funcionário e passou a ser parceiro da Unimed. Saiu também por entender que chegou o momento de mudanças. “Minha percepção era da necessidade de nova energia, de renovação de ideias”, afirmou.

Seguir como gestor no basquete é visto como ideal por Ricardo Molina Dias, mas o ex-presidente da ADCF Unimed não descarta a possibilidade de vir a trabalhar no futebol. A única certeza que tem é que continuará, de alguma maneira, envolvido com o esporte. “É minha gasolina e não consigo ficar longe”, disse.

Matéria completa na edição desta semana do O JOGO