O JOGO

Ex-profissionais invadem os campeonatos de Americana

João Paulo, ex-Guarani, e Paulinho Andrade, em Rio Branco, em jogo do Sênior

João Paulo, ex-Guarani, e Paulinho Andrade, ex-Rio Branco, em jogo do Sênior

Não é de hoje que os campeonatos da LAF (Liga Americanense de Futebol) têm a participação de ex-jogadores profissionais. Até bem pouco tempo atrás, era um ou outro boleiro de renome que reforçava um time aqui, outro ali. Atualmente, a lista é bem mais extensa, embora com vários nomes pouco conhecidos dos torcedores.

As atrações atuais são os ex-atacantes João Paulo e Ademar. Revelado pelo Guarani no final dos anos 80 e com passagens pela seleção brasileira, futebol italiano e times importantes do Brasil como Corinthians e Flamengo, João Paulo está disputando o Campeonato Senior pelo São Pedro.

Destaque do São Caetano na década de 90, quando o time foi campeão paulista e vice do Brasileiro e da Taça Libertadores, Ademar, atacante de chute forte, assinou com a Ponte Preta para também jogar o Senior.

Por sinal, São Pedro e Ponte Preta têm investido bastante em ex-profissionais. E o termo “investido” não é apenas ilustrativo. Boa parte dos boleiros ainda em atividade cobra cachê para ir a campo. Um dirigente revelou ao O JOGO que o valor varia entre R$ 250 a R$ 350 por partida. “Depende (o cachê) da fama do jogador, como ele está fisicamente e a distância de onde mora até Americana, pois o custo do combustível é imbutido no valor”, disse o dirigente.

No São Pedro, além de João Paulo, há pelo menos outros dois nomes bem conhecidos no futebol brasileiro: o atacante Macedo, revelado pelo Rio Branco e que brilhou com camisas importantes, como as do São Paulo, Santos, Vasco e Grêmio, e o meio-campista Piá, ex-Ponte Preta, Santos e Corinthians.

Na Ponte Preta, além de Ademar, outro destaque é Alexandre, que saiu do União São João e fez nome no São Paulo e no Santos. Alexandre já disputa há mais tempo os campeonatos em Americana. A Ponte conta ainda com vários ex-jogadores que passaram pelo Rio Branco e que residem na cidade, como César Xavier, Nelson, Aritana e Adriano Luiz.

O União, também do futebol senior, é outro time com ex-profissionais, casos de Paulinho Andrade, que foi lateral-direito do Rio Branco nos anos 80, e Jean, ex-atacante do São Caetano.

Xodó da torcida do Rio Branco e com passagens marcantes por São Paulo e Flamengo, além do futebol japonês, o atacante Sandro Hiroshi joga o Amador da 1ª Divisão pelo Zanaga. No mesmo campeonato estava Walker Frônio, campeão mundial sub-17 pela seleção brasileira e com passagens por times como Ajax da Holanda e Atlético-MG. Ele vinha jogando pelo Guanabara, mas teve que abandonar a competição pois assinou contrato com a Inter de Limeira para a Copa Paulista.

Segundo registros da Liga, o Jardim Brasil, da 1ª Divisão, conta com nove jogadores com passagens por times profissionais: Jhoni e Luís Fernando, ex-União Barbarense; Danilo, ex-Atlético Sorocaba; Doriva, ex-Paulista de Jundiaí; Dirceu, ex-Palmeiras B; Zilão, jogou na China e na Suíça; Moranga, ex-SEV Hortolândia; Bolão, ex-Operário de Campo Grande-MT; e Thiago Campana, ex-Treze da Paraíba.

Como a LAF insiste em não cobrar taxa de inscrição em seus campeonatos, os clubes têm um dinheiro a mais para investir em ex-profissionais…

Texto e foto: Zaramelo Jr.