O JOGO

Com 3 títulos, Júlia Campana domina Sega Open

Júlia Campana Romi foi campeã em três categoria no Sega Open de Raquetinha

Júlia Campana Romi foi campeã em três categorias (Foto: Wado Pellizoni)

Júlia Campana Romi foi o nome do Sega Open de Raquetinha, que aconteceu no complexo de saibro da academia ATC (Americana Tennis Center), entre quinta-feira (22) e domingo (25), movimentando 160 duplas de várias cidades de São Paulo. A jogadora de Americana teve índice de 100% de aproveitamento e foi campeã em três categorias.

O principal resultado foi na categoria B. Jogando em parceria com o professor Paulinho Campos, também de Americana, Júlia foi campeã com vitória por 8/6 sobre Maciel Benits, de Santa Bárbara d´Oeste, e Matheus Bueno, de Campinas.

Júlia também conquistou o título na elite da Feminino e Mista. Entre as mulheres, formou dupla com a barbarense Giovanna Pompermayer e ganhou na final das paulistanas Carolina Zoppi e Tatiana Rodrigues por 8/4.

Na Mista, novamente Júlia formou dupla com Rafael Oliveira (Linguiça), com quem foi campeã na etapa da Winner Academia, mês passado, em Santa Bárbara d´Oeste. Desta vez, no jogo decisivo, eles derrotaram Mariana Macedo, de São Paulo, e Fábio Pires, de Americana, por 8/5.

Além da B, Feminino A e Mista A, Americana também fez campeões em outras três categorias no Sega Open. João Marcos e Matheus Zanardo conquistaram o título da C, superando os barbarenses Juninho Bignotto e Luiz Rodrigues por 8/6.

Na D, vitória de Clayton Dias e New Gregório por 8/6 sobre Edmilson Santos (Cabeça) e Ricardo Camargo (Foguinho), de Santa Bárbara d´Oeste. E na Iniciante, numa decisão entre duplas americanenses, Alan Santos e Alessandro Batistioli (Garga) levaram a melhor sobre Marcus Camargo e Pedro Benetton por 8/1.

DEMAIS

Na categoria A, a principal do torneio, o título ficou para Gabriel Pitta, de Mogi Mirim, e Henrique Silva (Cabeça), de São Paulo. Na final, eles aplicaram 8/4 sobre Adriano Ferreira, de Ribeirão Preto, e Henrique Mello (Mindu), de Campinas.

Na A 45+, o paulistano Alexandre Hocevar e o campineiro Marcelo Campos salvaram dois match points contra e foram campeões com vitória por 9/7 sobre os americanenses Fred Faé e Rafael D´Agostini.

Na Feminino B, Fabiane Vega, de Ribeirão Preto, e Carol Guido, de Campinas, passaram pelas americanenses Marina Godoy e Thais De Nadai por 8/1, mesma parcial a favor das barbarenses Adriana Batagin e Francielli Amaral diante das limeirenses Camila Boldrin e Heloyse Nascimento na Feminino C.

Na Mista B, os barbarenses Sérgio Surge e Giovanna Pompermayer venceram o americanense Guilherme Romi e a paulistana Mariana Macedo por 8/4, enquanto na Mista C, em final que envolveu jogadores de Santa Bárbara d´Oeste, melhor para Ricardo Camargo e Francielli Amaral diante de Edmilson Santos e Paula Ometto – parcial de 9/7.

Marcel Sega, ao lado da esposa Paula, ficou satisfeito com repercussão

Marcel Sega, ao lado da esposa Paula, ficou satisfeito com repercussão

Patrocinador aprova torneio na ATC e planeja manter apoio

Válido pela sétima etapa do Circuito Aberto, o Sega Open de Raquetinha teve aprovação do empresário Marcel Sega, patrocinador master do torneio que levou 320 jogadores às quadras da ATC, semana passada. “O evento, na minha opinião, foi espetacular, atendeu, com certeza, a expectativa da construtora. Houve recorde de duplas inscritas. Não sei dimensionar o número de pessoas que passaram por lá, mas nos quatro dias estava cheio, tanto que havia carros parados até quase na bifurcação com a (rodovia) Anhanguera. Eu nunca tinha visto algo assim nos torneios na ATC”, disse.

“Para nós, enquanto patrocinadores, foi excelente, tanto na questão de organização como no nível dos jogos. Fazia tempo que eu mesmo não participava dos torneios e vi que as categorias C e D hoje estão am alto nível. Não é mais só o pessoal da A, que são os profissionais, que joga bem não”, avaliou Marcel.

O empresário manifestou intenção de seguir investindo na modalidade. “Temos projeção para manter (o patrocínio) nos próximos anos, até para tornar-se uma tradição, porque valeu a pena. Teve boa exposição da marca da construtora e todo mundo elogiou bastante”, comentou.

“Único ponto ruim foi que não consegui ganhar um troféu”, finalizou Marcel Sega, em tom de brincadeira – ele fez dupla com Luiz Felippe Campana (Pepo) na categoria C.

INÉDITO

Gestor de plataforma esportiva e um dos responsáveis pela organizadora do Sega Open, Joel Olla Junior disse que o torneio na academia Americana Tennis Center teve um aspecto inédito em 2019. “Pela primeira vez (na ATC), em 13 anos, tivemos que fazer com que todas as categorias fossem disputadas com eliminatória simples. Com isso, conseguimos atender o número recorde de duplas (160) em 148 jogos”, citou.

“Tudo correu perfeitamente bem, sem atrasos, com alto nível técnico nos jogos de todas as categorias. Foi, sem dúvida, uma das melhores etapas do Circuito até o momento”, finalizou.