O JOGO

Americanense Heder conhece o ídolo Éder Aleixo

Wagner, Heder, Éder Aleixo e Waguininho, sábado passado, em hotel de São Paulo

Wagner, Heder, Éder Aleixo e Waguininho, sábado passado, em hotel de São Paulo

Heder Nogueira de Freitas, 37 anos, que nasceu em Americana e mora em Nova Odessa, conheceu o ídolo Éder Aleixo, que foi ponta-esquerda do Atlético-MG e seleção brasileira na década de 80. O encontro entre os dois aconteceu sábado passado, em um hotel de São Pauo, onde o time mineiro estava concentrado para o jogo contra o Palmeiras – o ex-jogador faz parte da comissão técnica.

Portador de déficit cognitivo, visual e auditivo, Heder tem o mesmo nome do ex-ponta – a única diferença é que é com “H” por causa de uma tradição familiar. Heder nasceu em 2 de julho de 1982, no mesmo dia em que a seleção brasileira ganhou da União Soviética na Copa do Mundo da Espanha por 2 a 1 – o gol da vitória foi de Eder Aleixo. Por isso, seu pai Airton, falecido em 1996, fez a homenagem colocando o nome do ídolo atleticano.

Quem levou Heder ao encontro de Éder foi Wagner Martins Freitas. “Sou primo do Heder e era um sonho meu que ele conhecesse o Eder. Falei com o Juninho Chávare (americanense que é coordenador das categorias de base do Atlético-MG) e ele conversou com o Eder, que nos recebeu de forma muito atenciosa e carinhosa. Ficamos com ele durante uns 40 minutos no hotel”, contou Wagner, que também levou o filho Waguininho a São Paulo.

“O Eder presentou meu primo com uma camisa autografada do Atlético. Foi um momento muito especial, que ficará marcado para sempre”, finalizou Wagner.